Boa sorte vem do coração

Boa sorte vem do coração

“A desgraça vem da boca de uma pessoa e arruína-a, enquanto a boa sorte vem do coração e torna a pessoa digna de respeito.”

Certa vez tive a oportunidade de ouvir um episódio de um veterano que, de maneira resumida, conta a luta de uma senhora contra seu carma de doença. Ela sofria de uma doença muito grave e, para vencê-la, recitava muitas horas de Daimoku diariamente. Um dia ela relatou seu caso ao presidente Ikeda. Dizendo que recitava muitas horas de Daimoku todos os dias já havia mais de dois anos. Mas no entanto não tinha ainda transformado sua doença. O presidente Ikeda, observando-a, parabenizou-a pelo grande desafio de Daimoku. Mas orientou rigorosamente dizendo: “Recite Daimoku de alegria e gratidão, e não de tristeza e lamentação.” Isso deve ter caído como um raio em sua cabeça! Mas essa senhora acatou profunda e sinceramente essa orientação. E decidiu refletir sobre sua postura na prática da fé. Disseram que, a partir daquele dia, em menos de seis meses ela curou-se.

Mudança

Sua mudança em como encarar sua luta com base na prática da fé fez toda a diferença. Com certeza, ela entendeu que, devido à sua doença, conseguiu enxergar e refletir sobre pontos internos de sua vida. Pontos que, em situação normal, jamais pensaria. Conseguiu vencer maldades internas. Ou seja, a si mesma em aspectos fundamentais. Chegou à conclusão, considerando por esse lado, de que valeu a pena enfrentar a doença, pois pôde crescer como ser humano. Considerou essa vitória até mais importante do que sua cura. Dessa compreensão, sentiu muita alegria por entender o significado de gratidão. Se algo vem para o bem, então temos mais é que agradecer por isso. Daí a gratidão. É o reconhecimento de que esse caminho que abracei é o caminho de benefícios, da construção da minha felicidade. Pelo contrário, abandonar esse caminho, ou seja, não reconhecer, é falta de gratidão.

Ao analisarmos superficialmente as dificuldades de nossas circunstâncias imediatas, as perspectivas parecem ser as piores, ou muitas vezes nem existem. Tendemos a reclamar e duvidar. Não entendemos porque as coisas acontecem justamente conosco. Esse sentimento de injustiça gera revolta, restando apenas a lamentação e a tristeza. Acredito ser essa visão míope um dos significados do trecho “A desgraça vem da boca de uma pessoa e arruína-a”.

Boa sorte e coragem

Numa orientação, o presidente Ikeda disse: “Independentemente dos sofrimentos ou dificuldades que enfrentarmos, devemos viver com força e coragem, desafiando-os até vencermos. A pessoa que vence no final é uma verdadeira vitoriosa na vida. A vitória não se decide no meio do caminho. Se vencermos no final, poderemos olhar para trás e entender que tudo o que aconteceu até então teve um significado. Mas se perdermos no final, tudo em nossa vida terá sido em vão, independentemente do quanto as coisas tenham sido fáceis até então.” (Brasil Seikyo, edição no 1.590, 3 de fevereiro de 2001, pág. 3.)

Ter essa convicção é o que nos conduz a uma luta de alegria e gratidão, pois existe a certeza da vitória no final, não importa o quão difícil seja a situação no momento. Quando conseguimos conquistar essa vitória, todas as coisas, mesmo as injustiças, as quedas e os sofrimentos, ganham significado e fazem brilhar ainda mais essa vitória. Porém, se desistirmos no meio do caminho, então não alcançaremos essa vitória e, portanto, continuaremos não entendendo nada, ficando perdidos, sem saber o que fazer.

Conclusão

Essa convicção não é um otimismo barato, mas trata-se da sabedoria advinda da prática da fé. É o que nos dá esperança e, por sua vez, perseverança de não desistir, até conquistar a vitória no final. O propósito maior da prática da fé pode ser dito, portanto, que é unicamente não desistir. Esse é o maior benefício do Gohonzon.

O trecho “A boa sorte vem do coração” é justamente essa extraordinária visão de encarar a vida e o trecho “torna a pessoa digna de respeito” indica a grandiosa condição que conquistamos por comprovarmos a força da prática da fé.

Envie seu comentário