Conhece a ti mesmo – Leandro Karnal

Conhece a ti mesmo – Leandro Karnal

E foi ouvindo a entrevista abaixo de Leandro Karnal que me lembrei do caminho percorrido até o momento. E de como esse caminho do auto-conhecimento não é natural para as pessoas. E fiquei me perguntando por que esse caminho é tão difícil.

Se analisarmos a trajetória do desenvolvimento humano, no tocante à psicologia, até nossa juventude passamos por várias fases de conhecimento e identidade: identificação de si mesmo, como sendo um ser único e diferente dos outros, independente; criação da identidade através da inclusão social, similaridades de aparência, forma de se expressar. Em um momento, juntamos tudo isso e nos tornamos nós mesmos.

Mas, nesse percurso, perdemos a sensibilidade e a consciência de quem somos, das experimentações e da viagem ao nosso interior. E, em determinados momentos, isso se torna um tabu: as pessoas não querem mais aprender sobre si mesmas, pois elas acreditam que já sabem tudo – ou tem medo de descobrir quem são de verdade.

Há séculos, os grandes filósofos nos trazem caminhos e portas para adentrar ao auto-conhecimento. Platão, trouxe em seus discursos a célebre frase de Sócrates, “conhece-te a ti mesmo”. Jesus nos traz sua famosa “amai aos outros como a ti mesmo”. Ambos evocam de seus seguidores que se conheçam profundamente, para, depois, contribuir com a sociedade.
Nos perdemos ao longo do nosso caminho, esquecemos como é importante olhar “para dentro”. Esquecemos como fazer isso. O século XX retomou esse movimento com a potencialização dos processos de psicologia e psicanálise. A administração moderna inseriu em seus conceitos o olhar para o trabalhador como ser humano. A discussão sobre a humanização dos postos de trabalho tomou conta de fóruns no mundo todo no final do século e ganhou muita força no início do século XXI. As empresas contemporâneas estão, cada vez mais, adotando o processo de humanização, inserindo processos de acompanhamento de carreira, em lugar de simples avaliações de desempenho, adotando ferramentas de mentoring ou coaching, capacitando lideranças para desenvolver esses papeis e criando um movimento de preocupação com o próximo, e de preocupação consigo.

A sociedade como um todo tem mostrado sua preocupação em trazer para o cotidiano as discussões sobre o ser humano, sobre comportamento e relacionamentos. E nesse turbilhão de informações, oportunidades e desafios, conhecer quem realmente somos é um caminho para a auto-compreensão, nos ajuda a entender e aceitar como realmente somos e quem somos, porque tomamos decisões do modo como o fazemos. E abre portas para que possamos identificar os verdadeiros pontos de melhoria para sermos o melhor ser humano que podemos ser.

A Vida que Vale a Pena ser Vivida em Tempos Líquidos ● Leandro Karnal

Livros indicados:

Autor: Luc Ferry
1° – Aprendendo a viver – Editora: Objetiva
2° – Vencer os medos – Editora: Martins Fontes
3° – O que é uma vida bem sucedida – Editora: Difel
4° – Do Amor – Editora: Difel

Autora: Margareth Rago
Livro: Para uma vida não-fascista – Editora: Autêntica

Autor: Zygmunt Bauman
Livro: Medo Líquido

Autor: Luiz Felipe Pondé
Livro: Contra um Mundo Melhor

Autor: Arthur Schopenhauer
Livro: As Dores do Mundo

Autor: Desconhecido
Livro: O Livro de Jó
Tema: Por que sofrem os bons

Palestra realizada dia 16/12/15 – Local: Salvador – Bahia

Envie seu comentário