Daimoku

Daimoku

Shakyamuni viveu na Índia 2.500 anos atrás. Ele foi o primeiro buda, o ser que despertou para a Lei da vida à partir de um profundo desejo de libertar todos os seres humanos do sofrimento. Por isso ele é conhecido como Buda, aquele que despertou para esse conhecimento.
Pouco mais de 1.000 anos após sua morte, em um momento de muita turbulência no Japão surgiu Nichiren Daishonin. Esse monge budista iniciou sua jornada para recuperar a essência do ensinamento budista e uma fé que pudesse encerrar o sofrimento do povo. Assim, ele revelou, através do Daimoku, o verdadeiro budismo. O ensino capaz de conduzir todas as pessoas à felicidade.

Buda Shakyamuni

Buda Shakyamuni

Daimoku

Daimoku é o termo utilizado para a recitação do Nam-myoho-rengue-kyo. Em 28 de abril de 1253 o Buda Original Nichiren Daishonin recitou pela primeira vez o Nam-myoho-rengue-kyo, estabelecendo o verdadeiro budismo para as novas gerações dizendo que o ensinamento supremo do Buda é o Sutra do Lótus e que o Nam-myoho-rengue-kyo é a sua essência.

No sentido literal a palavra Daimoku significa título. Isso acontece, pois myoho-rengue-kyo é, em japonês, o título do Sutra do Lótus, o último ensino exposto pelo Buda Shakyamuni. Nichiren Daishonin expôs que ao recitar o Daimoku você está incorporando todos os 28 capítulos deste sutra.

Recitar Daimoku

Recitar Daimoku

Daimoku: seu significado

Nam – Deriva do termo em sânscrito Namas, que significa devotar. Indica o espírito de devotar a nossa própria vida ao myoho-rengue-kyo, ou seja, ao Sutra do Lótus.

Myo – significa místico. Não no sentido de misticismo ou miraculoso, mas indicando que o mistério da vida é tão profundo que está além da compreensão humana.

Ho – Significa Lei. É a tradução do termo em sânscrito Dharma. Vem da Lei do buda, a lei de causa e efeito. Quer dizer também sobre o aspecto da lei imutável da vida.

Rengue – é a flor do lótus. Tem o significado da simultaneidade da lei de causa e efeito. Na flor do lótus tanto a flor quanto o fruto germinam ao mesmo tempo. A tradição budista diz que todas os fenômenos são regidos por esse aspecto.

Kyo – É o ensino do Buda, que é eterno e se propaga pelas três existências: o passado, o presente e o futuro. O ensino do buda transcende as condições físicas e o ciclo de nascimento e morte.

Daimoku

Daimoku

Assim o Daimoku, Nam-myoho-rengue-kyo, abarca todos os ensinamentos, formas de vida, leis e matérias existentes em todo o espaço infinito. Porém essa ideia ainda é superficial, pois essa simples explicação não expõe em sua totalidade a profundidade da Lei mística.
O ensinamento contido no Nam-myoho-rengue-kyo é completo, perfeitamente dotado. É uma prática de auto-aprimoramento, de sabedoria do Buda e da Lei da vida. Ao recitar o Daimoku, o som da recitação entra em harmonia com a lei do universo, o ritmo fundamental da vida do cosmos. É a essência básica da nossa vida, onde existe uma lei que é atuante, eterna e imutável. Tanto a nossa vida, dos demais, do nosso planeta e de todo o universo é regida por essa lei.

Mas porque recitar o Daimoku em outro idioma?

Questionado sobre a necessidade de traduzir o Daimoku para cada idioma existente, o presidente da Soka Gakkai Internacional, Dr. Daisaku Ikeda diz: “O Nam-myoho-rengue-kyo é a Lei eterna e imutável, e por isso não há necessidade de traduzi-lo para que os estrangeiros possam recitá-lo. Não há problema em traduzir as escrituras para o alemão ou para o inglês a fim de interpretar o significado do Nam-myoho-rengue-kyo, mas o Daimoku a ser recitado é Nam-myoho-rengue-kyo em qualquer lugar. O Daimoku é a língua universal que nos liga diretamente ao Buda. Por exemplo, em sânscrito, o Sutra de Lótus é Saddharma-pundarika Sutra. Nem por isso podemos recitar o Daimoku como Namu Saddharma-pundarika Sutra, pois existe também a questão do som e do ritmo.”

Universo

Universo

Recitação

Recitar diariamente o Daimoku é a prática budista suprema, capaz de ativar a energia dentro de nossas vidas e transformar todo o nosso mundo e o seu entorno. E assim, experimentar uma profunda transformação – a revolução humana.

Conclusão

Estas são algumas formas de descrever a Lei Mística, cuja nossas vidas são sua maior expressão. Dessa forma, recitar o Daimoku é um profundo ato de fé diante da vida e de todas as suas possibilidades. É a força ilimitada que está inerente em todos nós.
Sendo assim, a recitação do Daimoku em todo mundo é realizado da mesma forma, potencializando em cada um de si o seu melhor. É a forma de superação de todos os obstáculos por meio da fé e alcançar nesta vida a felicidade suprema e absoluta.

Envie seu comentário