O que fazer quando as coisas não saem como o esperado?

O que fazer quando as coisas não saem como o esperado?

Você está focado no objetivo, dando o seu melhor, e de repente um imprevisto acontece. Pode ser uma falha, um acidente, uma notícia ruim… Algo o tira do eixo, e o deixa sem chão. De surpresa, a revolta. São muitos os sentimentos que surgem nesse momento, e sua cabeça começa a ser povoada por questionamentos como “Por que eu?” ou “Por que tinha de ser assim?” ou, ainda, “Será que não fiz o suficiente?”.

Todos já passamos por isso. Na verdade, imprevistos são momentos que precisamos vivenciar se queremos nos desenvolver. Parece um tanto rigoroso falar dessa forma, mas a ciência prova isso.

Segundo pesquisa da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, o cérebro precisa de desafios para se manter saudável e se desenvolver durante toda a vida.

É claro que se pudéssemos escolher os desafios “mais tranquilos” como aprender algo novo, seria muito bom. No entanto não podemos escapar dos grandes impasses.

O presidente da SGI, Dr. Daisaku Ikeda, passou diversos desafios e imprevistos durante a vida. Em uma orientação, ele compartilha um desafio especialmente grande que enfrentou no trabalho em sua juventude:

“Quando era jovem, sofri o colapso das empresas de Toda sensei. No período de confusão econômica após a Segunda Guerra Mundial, muitas companhias de pequeno e médio portes foram à falência. Eu tinha 20 e poucos anos. Sei muito bem como é difícil quando uma empresa vai à falência. No entanto, eu me levantei e fiz com que as enormes dívidas das empresas do Sr. Toda fossem pagas. Trabalhei muito e consegui transformar totalmente a situação de acordo com o princípio budista da “transformação de veneno em remédio”, abrindo assim o caminho para que Toda sensei assumisse como segundo presidente da Soka Gakkai (em maio de 1951)”.

Imagine como o jovem Daisaku Ikeda se sentiu na época da falência da empresa do seu mestre. Certamente não foi nada fácil lutar contra todas as circunstâncias negativas externas, bem como as internas (dúvidas e medos). No entanto, ele não só seguiu em frente e superou essa situação, como transformou um contexto ruim (a falência) em uma oportunidade de criar algo grandioso: abrir caminho para que seu mestre assumisse a presidência. Tudo isso com base em três direcionamentos que todos nós temos a chance de aprender e de praticar nas atividades da Soka Gakkai: oração, ação (condizente com a oração) e estudo do budismo.

Dessa forma, quando você se vir diante de um imprevisto, em vez de questionar por que isso está acontecendo, ou se não estiver fazendo o suficiente, pergunte-se humildemente: “O que posso aprender com isso?”.

Certamente essa resposta virá por meio da oração — a recitação do Nam-myoho-renge-kyo ao Gohonzon —, das ações condizentes com a oração e do estudo do budismo, que lhe permite entender profundamente por que aquilo aconteceu em sua vida. Ao agir dessa forma, você não só superará o problema, como também perceberá uma grande oportunidade de crescimento se abrindo diante dos seus olhos.

Envie seu comentário