O segredo para ser bem-sucedido

O segredo para ser bem-sucedido

Durante a nossa vida profissional, é inevitável nos depararmos com situações que nos fazem questionar o que nos separa das pessoas bem-sucedidas. Há quem fale sobre sorte, outros citam o “jeitinho”.

No budismo, aprendemos a ver essa questão de outra forma.

A partir da filosofia budista, vemos que tudo depende de nós. O que vivemos é resultado das causas que fazemos, às vezes conscientes e outras vezes não tão conscientes assim. Essas “causas” são realizadas por meio de sentimentos, pensamentos e ações.

Voltando ao ambiente de trabalho, muitas vezes achamos que estamos dedicando o nosso melhor e que não somos reconhecidos. No entanto, nós nos esquecemos de verificar se o que estamos fazendo, o que estamos focando, é realmente o objetivo da empresa ou da pessoa para a qual trabalhamos; ou seja, se é o que esperam de nós; se estamos fazendo a “causa” aliada à “expectativa”.

Existem outras situações em que cometemos pequenos delitos, como “enrolar” durante o expediente e fazer hora extra para ganhar mais; utilizar recursos da empresa em benefício próprio; ou, ainda, falar mal de colegas pelas costas. Pode ser algo que lhe pareça insignificante, mas se não é feito ou usado para trazer desenvolvimento e prosperidade ao trabalho, não é uma boa causa, e pode trazer graves consequências para quem faz.

Certa vez, em um diálogo com jovens, o presidente da SGI, Dr. Daisaku Ikeda, orientou:1

“O trabalho molda nosso caráter. […] O local de trabalho é uma arena importante para a revolução humana. Aqueles que conseguem enxergar com esse sentimento são fortes. Em seus escritos, Nichiren Daishonin também ensinou ao seu jovem seguidor Nanjo Tokimitsu a importância da atitude com relação ao trabalho. Ele escreveu, por exemplo: ‘Ser leal ao seu lorde significa que a pessoa não tem nada do que se envergonhar por prestar serviço a ele. (…) Pois, embora a lealdade da pessoa possa não ser notada à primeira vista, com o tempo ela será abertamente reconhecida’ (WND, v. II, p. 636).

Por favor, não se comportem de maneira que se arrependam depois. Sejam sempre sinceros e honestos, mesmo que ninguém note seus esforços. Essa é a chave para serem bem-sucedidos. Aqueles que sempre se empenham para dar o melhor de si no trabalho, independentemente de qual seja sua posição, conquistam o maior tesouro de todos — a confiança dos outros”.

Podemos destacar aqui três grandes lições do Mestre para que sejamos bem-sucedidos no trabalho:

1. Visualizar o trabalho como arena de sua revolução humana, ou seja, abrir-se ao treinamento, aprender com as pessoas ao redor e aprimorar-se ao máximo na função que exerce.

2. Dedicar o seu melhor nas tarefas que são apenas suas, não importando quais sejam; se possível, dedique-se além do esperado, não como um peso ou uma obrigação, mas como uma oportunidade de ir além.

3. Tornar-se uma pessoa de confiança onde quer que esteja.

Ao se dedicar diariamente a esses três objetivos, certamente você abrirá o caminho para ser bem-sucedido, contando apenas com a boa sorte que é produzida com a prática do budismo, o “jeitinho” mais justo e possível de ser feliz.

Envie seu comentário