Qual a natureza do Sutra do Lótus?

Qual a natureza do Sutra do Lótus?

Acredito que seja algo da mais extrema importância o fato de o Sutra do Lótus apresentar o pensamento da igualdade fundamental.

Vasubandhu (grande erudito budista do século 4 e/ou 5) discorreu sobre as três diretrizes de igualdade expostas no Sutra do Lótus: “princípio igual”, “sociedade igual” e “existência igual”.

Que filosofia tão bem estruturada e maravilhosa! É necessário aprofundarmos a nossa discussão a respeito do pensamento da igualdade na diversidade contido nesse sutra.

Na sociedade moderna é cada vez maior as lacunas que existem em grande quantidade. Com relação a essa realidade, torna-se necessário incluirmos a visão do papel da religião neste contexto, para reavaliarmos os valores da igualdade fundamental discorrido no Sutra do Lótus por Vasubandhu, pesquisando-a profunda e minuciosamente.

Outro ponto essencial é que o Sutra do Lótus é uma escritura que defende a igualdade e o respeito à dignidade da mulher. Isso é algo revolucionário em relação aos demais sutras. Em meio aos sutras que negavam a iluminação das mulheres, esta só se tornou possível pela primeira vez por meio do Sutra do Lótus. Essa importância pode ser mais bem compreendida se a compararmos com o cristianismo, porque nessa instituição religiosa ainda se vê a luta para a nomeação das mulheres para os cargos de bispos e cardeais.

Podemos afirmar que o budismo, em especial o Sutra do Lótus, é um ensinamento aberto para todas as pessoas do povo que sempre apresentou uma visão bastante moderna. De fato, o Sutra do Lótus reconhece quatro distinções do ser humano: monge, freira, homem e mulher. Porém, exclui resolutamente as diferenças entre sexo e classe social.

Shakyamuni jamais voltou os olhos para algo como “deus”. Ele teve como foco único o ser humano. Antes de tudo, seja monge, freira, homem ou mulher, ele sempre colocou em primeiro plano as pessoas.

Da negação à afirmação

Quando se fala sobre o Sutra do Lótus, o mais importante nos dias atuais é o daimoku do Nam-myoho-renge-kyo, revelado por Nichiren Daishonin e recitado pelos associados da Soka Gakkai Internacional (SGI).

Em certa ocasião, Indira Gandhi (filha do primeiro-ministro Nehru) consultou-me a respeito do Nam-myoho-renge-kyo. Ela me contou que perguntava sobre o significado do daimoku a todos os japoneses que iam ao seu encontro, porém eles apenas davam explicações longas e confusas. Eu lhe expliquei cada ideograma do Nam-myoho-renge-kyo, enfatizando que todos representam a natureza espiritual, porém o que possui importância maior é o que não pode ser expresso em palavras: os sete ideogramas juntos. Ou seja, o significado como um todo, não explicável em palavras, é que possui eloquência infinitamente maior.

Então por que somente recitamos o daimoku do Nam-myoho-renge-kyo, e não o sutra inteiro ou parte dele? A resposta é encontrada na flor de lótus. Kumarajiva explicou o significado de cada flor de lótus por meio de suas respectivas cores: utpala (lótus azul) representa a meditação; padma (lótus vermelho), a energia da ação; pundarika (lótus branco), o valor da pureza imaculada; e kumuda (lótus amarelo), que desabrocha quando a lua surge e indica a serenidade. Esses quatro significados descrevem o domínio (campo) da mente humana e seu trabalho. Isto é, esses lótus não são meras flores que se desenvolvem num lago. Elas simbolizam a mente humana e desabrocham no coração.

Assim como existe uma importância simbólica nas flores de lótus, o daimoku do Nam-myoho-renge-kyo simboliza um poderoso valor. Esse daimoku não tem seu valor somente em cada ideograma que o forma, possui o verdadeiro valor da vida que transforma todas as circunstâncias negativas em aspectos positivos. Esses valores não são abstratos, eles se transformam em ações concretas. Para fazer com que esses valores se tornem efetivos, ou seja, tenham significado, é necessário que sejam postos em prática.

Budismo é ação

Eu pesquisava o significado das imagens esculpidas em Borudur, ruínas budistas de importância mundial localizadas na Indonésia, relendo junto com o livro Escolha a Vida, de autoria do líder da SGI, Daisaku Ikeda. Quanto mais pensava na pesquisa de sítios históricos como esses, mais via esperança no Sutra do Lótus, como afirmava o presidente Ikeda. Ele mudou o entendimento clássico de reverenciar uma escritura chamada Sutra do Lótus para um entendimento baseado na ação.

É essencial mantermos no coração o sentimento de que os sutras, como clássicos, devem ser um eterno legado da humanidade. Ao refletirmos a história, porém, vemos que este não é o pensamento básico e original do budismo, cuja base é a ação, ele é dinâmico. O importante não é quando e onde um sutra foi escrito, o fundamental é a mensagem que ele busca transmitir.

Na Bíblia, o senhor arbitrário, Deus, tenta dominar o coração humano pelo temor. Nas escrituras budistas, ao contrário, o objetivo é despertar o coração das pessoas. Diferentemente da Bíblia, o budismo permite uma mudança flexível em sua interpretação. Nós, que vivemos no século 21, temos o direito de, mantendo o espírito e os valores fundamentais, fazer uma releitura das escrituras budistas, dentro dos limites do novo contexto e da estrutura social.

O Sutra do Lótus, como uma escritura libertadora, continua a existir sempre permitindo uma nova interpretação. Ou seja, mais importante do que a interpretação da escritura é o espírito que ela busca transmitir, a sua mensagem central. Por esse motivo, o Sutra do Lótus é uma escritura que contém uma força dinâmica, se mantém eterna e sempre deve ser buscada.

Profundo respeito à luta do presidente Ikeda

O presidente da SGI, Dr. Daisaku Ikeda, é o líder que melhor e mais profundamente interpreta a natureza espiritual exposta no Sutra do Lótus. É a pessoa que atribuiu um grande valor à essência desse sutra por meio de sua conduta e ação. Sem dúvida, vem realizando a nobre função de revivescer o Sutra do Lótus nos dias de hoje. Ele propagou o Sutra do Lótus para o mundo inteiro e, com isso, está educando e conduzindo a humanidade. É por essa razão que eu o chamo de “mestre da humanidade” e lhe presto maior reverência.

Do fundo do meu coração, manifestando sincero respeito à sua luta, que vem tornando real a natureza espiritual do Sutra do Lótus e desenvolvendo-a por todo o planeta, quero lhe oferecer as seguintes palavras, e assim encerrar este meu discurso:

Em toda semente de lótus estão contidos sonhos. E como flores de lótus, terão o aspecto florido e orgulhoso, porém, agora são apenas uma imagem sem forma.

Nos brotos que começaram a se abrir lentamente, pode-se sentir a agradável fragrância desses sonhos. As pessoas são movidas pelos sonhos. Por visualizar esse ideal, seu coração é tocado. A chama, que nasceu no ardente coração e se funde em palavras, se transforma em ação e se cristaliza como manancial da vida e do amanhã.

A criação de seres humanos de valor da Soka Gakkai avança a passos firmes, silenciosamente. O som é sereno, porém, sua ação é sagrada, como o despertar de um sono primitivo e congelado, que retumba no mundo todo.

Tudo que tem significado se torna uma palavra e esta toma forma. As palavras de Ikeda sensei continuam a manter acesa a luz no coração das pessoas. E essa luz, como a força dos deuses, acolhe os sonhos das pessoas e se completa magnificamente como um tecido.

Envie seu comentário