Qual é o objetivo da vida? É a felicidade.

Qual é o objetivo da vida? É a felicidade.

O objetivo do budismo e da prática da fé é conquistar a felicidade.

Nichiren Daishonin disse: “Não há felicidade maior para os seres humanos que recitar o Nam-myoho-renge-kyo. No capítulo ‘A Extensão da Vida’ do Sutra do Lótus consta: ‘As pessoas (em minha terra) vivem felizes e tranquilas’” (GZ, p. 1143). Pode-se dizer que o termo “felizes” indica viver com toda a liberdade e a palavra “tranquilas” significa desfrutar a vida com máxima alegria.

Quando possuímos forte energia vital e abundante sabedoria, vencemos as mais diversas dificuldades da vida com renovada disposição, assim como um surfista aproveita as grandes ondas para alcançar a satisfação da prática deste esporte, ou como um alpinista desafia íngremes montanhas para atingir o prazer em escalá-las.

A Lei Mística é uma fonte de energia vital e sabedoria para superar todas as adversidades da vida, e por essa razão Nichiren Daishonin afirma que não há felicidade maior que recitar Nam-myoho-renge-kyo.

A realidade da vida é rigorosa. Desafiar corajosamente essa rigorosidade e comprovar a vitória na vida diária, no local de trabalho, na escola, no lar e continuar vencendo — a força propulsora desta “ilimitada ascensão” é justamente o budismo, a prática da fé.

Quem possui sabedoria e energia vital da prática da fé direciona tudo para um rumo melhor, para uma direção cada vez mais sólida. O verdadeiro praticante é aquele que possui a perspicácia para não se deixar enganar por idealismos, mas conquista vitórias sobre a própria realidade de vida e põe tudo em um ritmo assim.

Meu venerado mestre, o presidente Josei Toda, orientou sobre a felicidade da seguinte forma: “Com relação à felicidade, gostaria de lhes ensinar que existem dois tipos: a absoluta e a relativa. A felicidade absoluta é atingir a iluminação. A felicidade relativa é realizar os desejos como ganhar uma grande quantia em dinheiro, casar-se com a mulher (ou homem) ideal, ter bons filhos, construir a casa própria ou adquirir boas roupas. Conquistar esses desejos, um por um, é a felicidade relativa, e embora não sejam grandes realizações, as pessoas pensam que alcançaram a felicidade. Em contrapartida, felicidade absoluta é simplesmente o fato de viver feliz e tranquilo, é não ter preocupações com dinheiro, ter excelente saúde, um lar harmonioso, prosperidade nos negócios, plenitude no coração para viver sempre de forma prazerosa, independentemente do que veja ou ouça. Se houver um mundo como este, não será mais comum, mas a ‘Terra Pura, e a pessoa atingirá a iluminação”.

Então, como se pode conquistá-la. O senso de felicidade relativa naturalmente deve ser conduzido para se tornar o senso de felicidade absoluta. E somente se consegue isso com a nossa prática da fé, nenhuma outra é capaz de realizá-la absolutamente. Como estou me empenhando para lhes ensinar este princípio, espero que acreditem sem acalentar nenhuma dúvida. Meu desejo é que todos tenham uma vida diária de felicidade absoluta.

O primeiro presidente da Soka Gakkai, Tsunesaburo Makiguchi, dizia: “As pessoas querem dinheiro e conseguem, querem uma casa e constroem-na, querem isto, querem aquilo, e quando conseguem o que desejam, relaxam bebendo, cometem extravagâncias e acabam perdendo o controle. Pessoas desse tipo desconhecem o verdadeiro objetivo da vida”. Além disso, ele afirmou com clareza: “O objetivo da vida é criar o supremo valor e conquistar a felicidade maior”.

O nome “Soka Gakkai” significa organização que cria o supremo valor e concretiza a felicidade maior. Portanto, o objetivo da vida é realizar a felicidade maior, ou seja, a “felicidade absoluta”.

É possível afirmar que felicidade absoluta é aquela que não se altera com o passar do tempo, continua eternamente. É um senso de felicidade que flui do interior da vida sem ser influenciado pelas condições externas. Não é algo temporário como uma posição social, fama ou fortuna. A pessoa deve viver com base na Lei e conquistar méritos e posições fundamentados na Lei. E essa “posição da vida”, junto com a Lei, é eterna. E podemos viver eternamente como “monarcas da vida”.

Há também pessoas que dizem: “Mesmo doente ou pobre, se pensar que é feliz, realmente é feliz. Essa forma de pensar é uma ilusão, e se o senso próprio for mero conformismo, não há muito que fazer. O “tesouro do coração” muitas vezes se apresenta em forma de “tesouro do corpo” e “tesouro do cofre”.

Oro diariamente, com todas as minhas forças, pela vida afortunada, saúde e longevidade de todos os senhores. E vou orar desta forma por toda a minha vida porque meu sincero desejo é que os senhores desfrutem de um vida plena de satisfação, e que afirmem: “Minha vida é realmente plena de felicidade, não tenho arrependimentos, é uma completa satisfação”.

Envie seu comentário