Sete diretrizes para a vida diária

Sete diretrizes para a vida diária

Shin-iti Yamamoto disse aos jovens:

— De que forma, então, a revolução humana se manifesta concretamente no aspecto e na postura de uma pessoa? Aproveitando o encontro de hoje, gostaria de expor essa questão de forma mais clara e também como diretrizes para a vida diária de vocês. O primeiro ponto refere-se à saúde. Devemos comprovar na vida diária o princípio da interação entre prática da fé e saúde. Embora exista o fator cármico, a saúde é fundamental para podermos manter plena e satisfatória atuação. Naturalmente, o nosso corpo é passível de passar por algum distúrbio. Contudo, devemos fazer com que a nossa vida entre em profunda harmonia com o ritmo do Universo por meio de fervorosa oração com a determinação de “manter sempre perfeita saúde”. Sem essa oração e sem uma vida regrada e baseada no bom senso, não podemos dizer que é uma correta prática da fé.

Todos ouviram com atenção e seriedade.

Você também pode gostar:

O segundo ponto abordado foi sobre a juventude. Ele disse que manter o espírito jovem por toda a vida é uma comprovação da revolução humana. Uma vida dedicada à prática da fé faz com que uma pessoa mantenha seu espírito sempre jovial.

O terceiro ponto levantado por Shin-iti foi sobre a boa sorte. Ele disse que a boa sorte proveniente do empenho na recitação do Daimoku, da dedicação em prol do Kossen-rufu e o empenho diário como budistas glorifica tanto a própria pessoa como seus familiares. Disse também que numa sociedade de ondas tempestuosas, a boa sorte é sem dúvida uma força que nos protege, proporcionando-nos uma vitalidade tal como o sol do alvorecer.

A racionalidade foi o quarto ponto destacado por Shin-iti. Ele expôs sobre a importância de poli-la a fim de se desenvolver como um líder de bom senso dentro da sociedade, visando ao mesmo tempo à perfeição humana. Negligenciar esse ponto é sucumbir à derrota.

O quinto ponto abordado foi sobre a paixão. Disse que um verdadeiro budista é aquele que faz pulsar intensamente a sua paixão em prol do Kossen-rufu. A perda da paixão fará de uma pessoa uma “morta viva”. Acrescentou também que a paixão é a condição necessária para a felicidade, uma vez que as questões relacionadas a ela são decididas geralmente pela intensidade com que as tratam.

O sexto ponto assinalado foi sobre a convicção, uma vez que a revolução humana é o reflexo da inabalável convicção. Uma pessoa sem convicção e sem filosofia é como um navio sem bússola. Quando não conhece o rumo certo que se deve dar ao curso da vida, será como um navio que naufraga facilmente ao enfrentar uma tempestade mais forte.

Por último, Shin-iti enalteceu a vitória com base na referência de que “budismo é vitória ou derrota”. A revolução humana existe na persistente e contínua conquista da vitória. Uma vida coroada de vitórias é exatamente o curso da revolução humana. Tanto a vida diária como o Kossen-rufu são batalhas decisivas. É somente por meio da vitória que se comprova a justiça e a verdade.

Após falar dos sete pontos — saúde, juventude, boa sorte, racionalidade, paixão, convicção e vitória — como indicativos da revolução humana, ressaltou ainda que a benevolência é o fator essencial que os budistas devem estabelecer em sua vida pelo fato dela abarcar os sete pontos citados.

Envie seu comentário