Três Grandes Ensinos Fundamentais

Três Grandes Ensinos Fundamentais

Pergunta: Qual a importância dos “Três Grandes Ensinos Fundamentais” (Sandai Hiho sho) no budismo?

Resposta: Os três grandes ensinos fundamentais são os princípios essenciais do Budismo de Nitiren Daishonin:

1) o objeto de devoção do ensino essencial é o Gohonzon ou o objeto de devoção da fé; o objeto de devoção do ensino essencial foi constituído na forma do Gohonzon, diante do qual recitamos o Nam-myoho-rengue-kyo, e o supremo santuário foi erigido para sua consagração.

No escrito “A Herança da Lei Última da Vida”, Nitiren Daishonin enfatiza em especial o poder da fé dizendo: “Reúna o grande poder da fé e recite o Nam-myoho-rengue-kyo com a determinação de que sua fé será firme e correta no momento da morte”. Ele ainda enfatiza: “Será inútil abraçar o Sutra de Lótus sem o sangue vital da fé”. (Ibidem, pág. 218.) É por meio do “grande poder da fé” que podemos verdadeiramente “abraçar o Sutra de Lótus” e manter o “sangue vital da fé”.

Ainda sobre o grande “poder da fé”, num trecho anterior Daishonin diz: “Nitiren vem tentando despertar todas as pessoas do Japão para a fé no Sutra de Lótus de modo que elas também possam compartilhar da herança e atingir o estado de Buda. Mas em vez de despertarem, elas me perseguiram de diversas formas e, por fim, baniram-me para esta ilha. O senhor tem seguido Nitiren, entretanto, encontrou sofrimentos como resultados. Dói-me profundamente pensar em sua angústia”. Essas palavras foram dirigidas a Sairembo em louvor à sua fé em meio às severas perseguições que atingiam Nitiren. Isso quer dizer que a verdadeira fé é aquela que é manifestada no momento mais crucial da vida. Essa é a forma mais concreta para verificar a profundidade da fé. Em conclusão, podemos dizer que a “herança da Lei última da vida” — a verdade absoluta do universo ou o Nam-myoho-rengue-kyo — somente pode existir e ser transmitida por meio do sangue vital da fé, isto é, prática da fé diretamente ligada ao Buda Original Nitiren Daishonin.

coração

2) o Daimoku do ensino essencial é a recitação do Nam-myoho-rengue-kyo; O Daimoku do ensino essencial, ou seja, baseamos a nossa firme fé orando sinceramente para extrair o poder do Gohonzon.
Todas as pessoas possuem dentro de si o Nam-myoho-rengue-kyo, ou a natureza de Buda. No entanto, esse estado é invisível e não o enxergamos com os olhos de mortal comum. Da mesma forma que é preciso um espelho para melhor se arrumar, também é preciso de algo para enxergar a natureza de Buda inerente na vida.

3) O supremo santuário do ensino essencial, ou o local onde a pessoa recita o Daimoku.

O Gohonzon pode ser comparado a um “poderoso espelho” que revela o Nam-myoho-rengue-kyo inerente na vida de cada pessoa. Embora esta Lei Suprema esteja dentro de cada um, é impossível evidenciá-la sozinho. Somente Nitiren Daishonin, por ser o Buda Original, pôde fazê-lo. E para todas as pessoas atingirem o estado de Buda, Daishonin incorporou sua própria vida ao Gohonzon.

natureza

O presidente Daisaku Ikeda enfatiza: “A Lei Mística é invisível. Apesar disso, não há dúvidas sobre sua existência. Nitiren Daishonin revelou o Supremo Objeto de Devoção, o Gohonzon, na forma de um mandala para extrairmos e manifestarmos o poder da Lei Mística de nossa vida. É por isso que o segundo presidente da Soka Gakkai, Jossei Toda, expôs esse fato de uma maneira fácil de compreender, dizendo: ‘Perdoem-me por utilizar uma analogia tão simples, mas o Gohonzon pode ser comparado a uma máquina de fazer felicidade’. Quando fazemos o Gongyo e o Daimoku diante do Gohonzon, o microcosmo de nossa vida individual entra em fusão com o macrocosmo do Universo”.

Pergunta: Qual o verdadeiro significado do termo “supremo santuário”?

Resposta: Os preceitos budistas têm com finalidade impedir os atos contra o ensino do Buda e a conseqüente infelicidade decorrente disso. No período após o falecimento do Buda Sakyamuni, os preceitos eram altamente valorizados e o Budismo Hinayana em particular estabeleceu vários deles como não matar, não roubar e não mentir. Os preceitos aumentavam conforme crescia o número de grupos no clero budista. Os 250 preceitos e os 500 preceitos foram estabelecidos como as regras completas de disciplina para os monges e as monjas, respectivamente. A observação dos preceitos acabou se tornando a mais importante característica do Budismo Hinayana.

Com o tempo, surgiu um movimento contrário ao Hinayana, como uma reação ao aumento de complicados preceitos. Esse movimento posteriormente passou a ser chamado de Budismo Mahayana, que valorizava o espírito de Sakyamuni colocando-o acima dos preceitos, simplificando-os enormemente. Tanto o Hinayana como o Mahayana possuem o kaidan, palavra japonesa que designa santuário, que significa um local em que as pessoas que decidiram viver de acordo com os ensinos do Buda juram observar os preceitos e as regras monásticas. Kai significa literalmente preceitos e dan indica uma plataforma elevada usada para a ordenação. Assim, kaidan significa um santuário onde são feitos os juramentos em uma cerimônia.

Não há no Budismo Nitiren nenhum outro preceito além de abraçar o Gohonzon e recitar o Nam-myoho-rengue-kyo; portanto, o local onde a pessoa recita o Daimoku ao Gohonzon é o Supremo Santuário.

No ano de 1279, Nitiren Daishonin inscreveu o Dai-Gohonzon, objeto de devoção, cumprindo o propósito de seu advento e legou-o a toda a humanidade, tanto daquela época quanto do futuro. Os locais onde cada Gohonzon, que são transcrições do Dai-Gohonzon, está consagrado, podem também ser chamados de santuários.

O Buda Original declara que os Três Grandes Ensinos Fundamentais constituem a doutrina oculta nas profundezas do 16o capítulo do Sutra de Lótus — Revelação da Vida Eterna do Buda —, em que consta: “Deixarei este remédio eficaz aqui. Devem tomá-lo e não duvidar de sua cura”. Do ponto de vista do Budismo Nitiren, esse “remédio eficaz” representa o Gohonzon; “Deixarei este remédio eficaz aqui” indica o local da prática onde o Gohonzon está consagrado; e “devem tomá-lo” significa que todas as pessoas devem recitar o Daimoku ao Gohonzon.

O objeto de devoção do budismo é chamado também de supremo ensino fundamental por abranger todos os três ensinos fundamentais, pois tanto o Daimoku como o local onde o Gohonzon é consagrado existem em função do objeto de devoção. O Daimoku é recitado diante do Gohonzon, e o local de consagração é onde se reverencia o Gohonzon.

Todas as pessoas possuem dentro de si o Nam-myoho-rengue-kyo, ou a natureza de Buda. No entanto, esse estado é invisível e não o enxergamos com os olhos de mortal comum. Do mesmo modo que é necessário um espelho para melhor se arrumar, também é preciso de algo para enxergar a natureza de Buda inerente na vida.

Envie seu comentário